Entrevista para a ELLE Magazine.

Entrevistador: “Nós sabemos que você é muito interessada em coisas reais e você segue a tradicional linhagem da família real. De onde surgiu o nome Lorde?”

Lorde: “Eu estava procurando por um nome que parecesse completo e estava entre diferentes opções de nomenclaturas reais. Eu topei com Lord, mas era realmente masculino então eu apenas coloquei uma letra “e” nele. Eu estava à procura de uma palavra que impactasse. E era tipo. “Nossa, isso é bom”.”

Entrevistador: “Você é em particular um nata escritora sobre o estilo de vida adolescente, especialmente sobre o tédio típico das experiências desta época que podem vir juntamente com o fato de crescer em uma cidade pequena.”

Lorde: “Eu sou provavelmente melhor escrevendo sobre coisas (matéria) porque é minha vida. Eu li isso que Patti Smith disse e era tipo, “É uma maldição dos escritores, mesmo se está se divertindo, celebrando, dançando, está pensando, ‘Eu estou nesta festa, Estou dançando, o que isso significa? Como posso lidar com isso? Como posso transformar isso em algo criativo que eu possa usar?’ Eu estarei na festa, vivendo e tendo experiências mas ainda tentando processar e raciocinar como eu posso usar tudo como material de composição.”

Entrevistador: “Você sente-se como precisasse escrever para um determinado público alvo, ou você apenas escreve de forma livre?”

Lorde: “Eu honestamente não imagino qualquer pessoa em específico ouvindo minhas músicas. Não penso que isso é a coisa mais saudável a se fazer, talvez. É melhor apenas escrever exatamente o que você quer ouvir, e se as pessoas curtirem então é legal. Eu nunca estive pensando sobre escrever sobre coisas positivas ou não. Eu apenas escrevo músicas que estão ao alcance do entendimento de todos.”

Entrevistador: “Sobre seu eu cover de “Swinging Party” da banda The Replacements no lado oposto do single “Tennis Court”. Como foi? você estava na deles?”

Lorde: “Meu produtor apenas tocou algumas músicas. A medida que eu ouvia aquela música era tipo “Caralho, isso é tão, é uma composição muito boa”. Você sabe é tão perfeitamente triste mas um tanto quanto retorcido e um tanto quanto divertido.”

Entrevistador: “Nós também notamos que você tem muitos efeitos de coro nas suas músicas. Você já esteve em um coral?”

Lorde: “Até esse ano, eu estive em um coral de uma barbearia (é comum que em países de cultura inglesa barbeiros cantem, e as pessoas cantem em barbearias enquanto cortem seus cabelos).”

Entrevistador: “Como o Barbershop Quartet? (Referindo-se a um quarteto famoso de barbeiros que cantam).”

Lorde: “Era tipo um quarteto, mas havia 30 pessoas nele. Eu apenas sempre fui atraída por esse estilo de canto. Eu considero isso como uma bela maneira de assombrar.”

Entrevistador: “É você que arranja todos os conceitos para os seus vídeos- encenação, roupas, etc?”

Lorde: “Tudo o que eu visto, toda foto minha que é divulgada, todo vídeo em que eu estou presente, é controlado por mim. Eu provavelmente sou um pesadelo para se trabalhar porque, você sabe, eu tenho uma ideia muito clara do que eu quero. Se você deixar um bando de pessoas que tem trabalhado na indústria musical por 20 anos fazê-lo, você provavelmente não vai acabar com um resultado legal. Por mais que essas pessoas saibam, talvez elas não entendam muito sobre ter 16 anos.”

Entrevistador: “Por um tempo você nem sequer tinha uma foto te promovendo, certo? Por que você tomou essa decisão?”

Lorde: “Tantas coisas no pop tem haver com aparência, e assim que alguém faz música, nós temos essa necessidade em saber como ela se parece e como é seu corpo, você sabe, de que cor é sua pele! Eu sinto como se essa cultura doida ao redor das celebridades é apenas insana. Eu não queria que isso fosse um fator quando as pessoas começassem a escutar as minhas músicas.”

Entrevistador: “Nesse novo álbum, você tem indicado que as músicas serão mais intimidadas e focadas em relacionamentos com as pessoas.”

Lorde: “Bem, eu tinha 15 anos quando eu escrevi todas as músicas do meu primeiro EP à partir de uma perspectiva muito mais ampla. Eu também estava tentando descobrir o meu som e quem eu era como artista. Isso definitivamente me fortaleceu. No álbum, eu tive momentos que foram mais intimidantes, e um monte de estranhas autoanálises: “Você gosta de hotéis agora mas quando isso irá mudar?” Apenas porque minha vida tem se tornado tão insana nos últimos seis meses, você sabe, eu não poderia deixar de escrever sobre isso.”

Entrevistador: “Então você escreve sobre sentir-se estranha, sobre sua mudança de estilo de vida?”

Lorde: “Sim. Eu sempre fui brutalmente honesta em relação a minha escrita, mesmo que isso me faça parecer estúpida ou se um dos meus amigos se irrita comigo porque eu escrevi sobre algo que aconteceu com a gente. Eu acho que essa é uma boa maneira de ser. Quando mais cedo você (pausa) de ser honesto em suas canções, você para de se relacionar com as pessoas.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *