Entrevista para a SPEX TV.

Sobre ter uma mãe professora e poeta:
Eu gosto disso porque minha mãe sempre me deu livros para ler e me fez pensar sobre as coisas, e também me levou para galerias de arte e esse tipo de coisa. Isso é legal.

Seu avanço criativo:
Eu não sei, eu não botei um tempo certo, só queria descobrir que tipo de música eu queria fazer, então comecei a trabalhar com meu co-compositor Joel quando tinha 14 ou 15 anos. Desde aquele ponto, tudo aconteceu muito rápido e eu soube o tipo de música que queria fazer, e eu senti que finalmente eu estava chegando perto de fazer alguma coisa legal.

O certo som:
Eu escuto muitos tipos de música, eu escuto muito pop, mas música eletrônica foi meu primeiro amor, eu escuto também hip hop, e muitas outras coisas. As músicas que eu faço são pop, mas também tem todas essas influências.

James Blake e Animal Collective:
James é alguém que eu gostava muito desde que tinha 13 anos, porque eu não sabia que música podia ser desse jeito até escuta-la, então mudou muito para mim. Eu amo Animal Collective desde os 13 anos também. Eu amo pessoas que conseguem fazer música pop, mas músicas pop legais, e fazer isso de um jeito inteligente.

Inspiração:
Eu gosto da ideia de músicas com um visual e um sentimento bom. Eu sou uma pessoa muito visual, estou sempre criando coleções de fotografias, vendo filmes e fazendo coisas dentro dessa perspectiva.

Escrevendo “Glory and Gore”:
Ela não é muito sobre guerras reais, eu estava passando a ficar muito interessada em gladiadores e o conceito de lutar.

A capa de “Pure Heroine”:
Eu fiz aquilo por alguns motivos. Um deles é porque eu acho que a música pop é povoada por pessoas que tem a necessidade de ver como elas são, como sua cara é, como seus peitos são, e eu acho chato porque acho que música não deveria ser sobre isso. Eu gosto de como a capa do álbum parece ser clássica e poderia ter 50 anos, algo dessa era. E o que eu gosto é que isso não tem nada a ver com música, então você tem que escutar ele, porque você não pode julgá-lo pela capa, porque não tem uma capa para você julgar! Acho legal o fato de as pessoas terem que escuta-lo para julgá-lo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *